Zul Digital

Zul Digital


Aplicativo oficial credenciado pela prefeitura para uso das vagas de Estacionamento rotativo. Praticidade e segurança na hora de comprar o Cartão Zona Azul Digital.

Campartilhe


Revisão do carro: o que fazer?

Zul DigitalZul Digital

Entenda a importância da revisão do carro para não criar maiores problemas ou até acidentes

carro sem a roda consertando
A revisão repara pequenos defeitos no carro e evita que problemas maiores apareçam

Quando o assunto é a revisão do carro muitas dúvidas surgem na cabeça dos motoristas que não conhecem bem a parte mecânica de seus veículos. As pessoas ficam com um pé atrás com medo de serem enganadas por questões técnicas demais sobre mecânica.

No entanto, a revisão não pode ser deixada de lado. A segurança no trânsito é um tema que precisa ser abordado como prioridade. O carro é uma máquina, assim como um computador ou uma máquina de lavar, e caso o sistema esteja desregulado, seu funcionamento pode ser comprometido. E quando falamos de automóveis, a falta de revisão pode causar acidentes.

Andar de carro não é só colocar gasolina. Ao dirigir, diversos problemas podem aparecer. E se o motor superaquecer por causa de um defeito do radiador? E se o pneu furar e o estepe não estiver calibrado? E se o sistema de freios não funcionar, gerando um acidente?

É para isso que serve a revisão do carro. Ela é feita para evitar que aconteçam problemas nos diferentes sistemas do automóvel. A revisão diminui preocupações e dores de cabeça, preserva o veículo e suas peças, garantindo o bom funcionamento. Ao respeitar os prazos de substituição de peças fazendo a manutenção delas, você dirige com mais segurança.

Conheça o Movimento Maio Amarelo que propõe o debate no mundo todo sobre a segurança no trânsito.

O que é a revisão do carro?

A revisão do carro pode ser definida como uma forma de manter o funcionamento e prolongar a vida útil do veículo. No Brasil, carros ainda são bens de consumo de valor alto para grande parte da população, que mantém o mesmo veículo por muitos anos. Daí a importância da manutenção.

As peças do veículo e o os componentes do motor sofrem desgaste natural conforme o uso. Isso se deve a diversos fatores; como as condições das vias, a maneira como o motorista dirige, o clima, a qualidade do combustível utilizado etc.

Antes de ser lançado, o carro passa por uma maratona de testes e exames realizados pela montadora. Situações práticas do dia-a-dia são colocadas para acompanhar como o modelo se sai em cada uma delas. Assim, a montadora conhecerá os limites do carro e durabilidade dos materiais e peças que o compõe.

Tipos de revisão

Manutenção Corretiva: É a revisão que corrige eventuais defeitos. Quando uma peça está quebrada ou apresenta alguma falha, ela será substituída por uma nova. Desde o disco de freio desgastado até uma lâmpada do farol de seta podem apresentar problemas durante a manutenção corretiva.

Manutenção Preditiva: É quando se estipula um período para a substituição de uma peça. Pode ser realizada ao atingir determinada quilometragem ou tempo sem manutenção. Geralmente, a própria montadora define a substituição. Por exemplo, troque de óleo a cada 10 mil quilômetros rodados, troque de amortecedores a cada 40 mil quilômetros rodados e alinhe o carro a cada seis meses.

Manutenção Preventiva: Ocorre quando certa peça apresenta desgaste, o que evita com que novos problemas apareçam no futuro. Ao manter uma peça com defeito no veículo, problemas maiores podem surgir danificando outras partes do carro. O desgastes das peças vai depender dos cuidados do motorista ao dirigir e até mesma as condições da pista.

Cuidados diários com o automóvel

Existem alguns procedimentos que podem ser feitos pelo próprio motorista em sua garagem diariamente para checar o funcionamento e a condição do veículo. É importante ressaltar que esses cuidados não substituem a revisão completa, embora, esse processo contribua para a manutenção preventiva do carro.

Antes de sair de casa é prudente verificar:

Para calibrar o pneu: saiba o calibre adequado do seu pneu. Geralmente, ele se encontra no manual do veículo ou na tampa do tanque de combustível. Depois disso, vá a uma bomba de ar disponíveis em postos de combustíveis e digite o valor no aparelho. Insira a mangueira na válvula do pneu e retire quando a bomba de ar apitar. Isso significa que seu pneu está calibrado. É recomendável fazer o procedimento de 15 em 15 dias.

Para checar o nível do óleo do motor: o primeiro passo é retirar do cárter a vareta e limpá-la com um pano limpo. Coloque ela novamente e gire ela para os dois lados, rodando. Retire novamente e veja se o nível do óleo está entre o mínimo e o máximo. Caso esteja, isso significa que está tudo bem. Se estiver abaixo do mínimo, o motor vai ficar sem lubrificação. E se estiver acima do máximo, também é ruim porque pode causar outros problemas, como aumentar a pressão no reservatório e provocar vazamentos. A troca de óleo deve ser feita após 10 mil km rodados.

Para verificar as luzes e setas: Ligue o carro e ative todas as luzes, desde os faróis até as setas e luzes internas. A iluminação do veículo é importante porque representa comunicação no trânsito. Caso não estejam funcionando direito, acidentes podem ser provocados.

Além disso, o carro envia sinais que podem passar despercebidos mas mostram a necessidade de revisão. Um barulho estranho ou alguma diferença no sistema de freios, de câmbio, acelerador ou direção pode significar que você deve visitar um mecânico.

Muitos congestionamentos são gerados por carros quebrados no meio das avenidas e ruas. Conheça dicas para fugir do trânsito e evitar o estresse no dia-a-dia.

De quanto em quanto tempo devo fazer revisão?

Grande parte dos motoristas deixa para realizar a revisão dias antes de viajarem, no último momento. Porém, não é essa a recomendação. A revisão do carro deve ser feita a cada 6 meses ou a cada 10 mil quilômetros rodados independente do modelo. Ir mais cedo ou mais tarde vai depender de qual marca for atingida antes, do tempo ou da distância percorrida.

mecanico abre o capo do carro
A revisão do carro é fundamental tanto para quem o utiliza todos os dias quanto para quem o deixa parado na garagem

Mas, ainda assim o tempo é relativo de carro para carro. Depende muito da quantidade de peças a serem revisadas e suas especificidades. No manual do veículo, é possível encontrar as informações sobre a revisão do modelo detalhada.

Manutenção: o que verificar e quando verificar?

Como já dissemos, é recomendável levar o carro de 6 em 6 meses para a revisão ou a cada 10 mil quilômetros rodados. Existem itens que devem ser verificados toda vez que o carro passar pela revisão.

De modo geral, uma revisão automotiva precisa envolver todos os sistemas de um carro, então as seguintes partes não podem deixar de ser avaliadas:

Confira a lista abaixo com as principais partes que precisam passar pela manutenção caso seu carro já tenha atingido certa quilometragem:

O que é para verificar? Para que serve? Já devo fazer a revisão?
Alinhamento e Balanceamento Fundamental para estabilidade e segurança ao dirigir. Um carro desalinhado consome mais combustível e provoca maior desgaste dos pneus. O desequilíbrio entre as rodas demanda maior esforço do motor. A partir dos primeiros 10 mil km rodados
Filtro de ar do motor Responsável pela admissão de ar no motor e é quem impede a entrada e circulação de poeira abrasiva no seu interior. Vale lembrar que o período será reduzido caso você transite em regiões com alto nível de poeira ou fuligem. A partir dos primeiros 15 mil km rodados
Filtro de combustível O filtro consegue segurar até 98% das impurezas presentes no combustíveis comercializados no Brasil. Porém, esse período pode ser antecipado devido ao alto índice de abastecimento com combustíveis adulterados. O acúmulo de resíduos no motor prejudica o seu rendimento. A partir dos primeiros 15 mil km rodados
Filtro de ar-condicionado Responsável pela purificação do ar que entra dentro do carro. Fundamental para evitar o acúmulo de bactérias que prejudiquem a saúde do motorista e dos passageiros. A partir dos primeiros 15 mil km rodados
Fluído de freio Ignorar a troca do fluído de freio fará com que as peças que compõem o sistema de freios comecem a oxidar. Ruídos incômodos e falta de resposta do freio são sintomas para a manutenção. A partir dos primeiros 20 mil km rodados
Velas de ignição Fornecem a faísca elétrica responsável por dar partida no motor. A troca é necessária porque a faísca perde intensidade. Como consequência, acaba deixando de queimar parte do combustível que entra na câmara de combustão. Aumenta o consumo e diminui a potência do motor. A partir dos primeiros 20 mil km rodados
Palheta do para-brisa Sintomas como riscos no vidro e excesso de barulho significam que os limpadores precisam ser trocados. A partir dos primeiros 20 aos 40 mil km rodados
Conjunto de pneus Único componente do carro que se comunica com o solo. Pneus lisos não tem aderência e isso pode acarretar em acidentes. No Brasil, os pneus possuem um indicativo de desgaste. Além disso, mantenha-os sempre calibrados. A partir dos primeiros 60 aos 80 mil km rodados
Suspensão Faz parte do sistema responsável por absorver as irregularidades do solo. As molas e os amortecedores fazem parte da suspensão do veículo. A partir dos primeiros 60 aos 80 mil km rodados
Mangueiras de combustivel Servem para o transporte do combustível do tanque ao motor. Caso apresentem algum problema, o carro pode não funcionar. A partir dos primeiros 60 aos 80 mil km rodados
Bateria É responsável por dar partida no carro. A bateria acumula energia graças à conversão de energia mecânica, gerada pela combustão do combustível, em energia elétrica. Por isso, ao ligar o carro, a bateria recarrega. Com mais de 100 mil km rodados
Sensores do motor Gerenciam a combustão interna do motor do carro. Com mais de 100 mil km rodados
Sistema de freio Responsável pela desaceleração e parada total do veículo. O sistema conta com diversos componentes que se desgastam ao longo do tempo. Com mais de 100 mil km rodados

Quanto custa uma revisão de carro?

Muitos motoristas reclamam do alto custo para fazer a revisão do carro. No entanto, a longo prazo, pagar por uma revisão preventiva sai muito mais em conta do que uma manutenção corretiva. Assim, o motorista pode economizar dinheiro e evitar futuras dores de cabeça com problemas em seu veículo.

mecanico troca o oleo do motor do carro
O valor de uma revisão pode ser pequeno em relação a um futuro concerto pela falta de manutenção

O preço da revisão varia de carro para carro e depende em qual quilometragem irá ser feita a manutenção. Para entender melhor na prática e ter uma ideia dos preços, fizemos uma tabela com os valores médios de revisão dos carros mais vendidos no Brasil em 2019. Os dados dos dez carros mais emplacados no Brasil foram colhidos através do levantamento feito pela FENABRAVE até abril deste ano.

Modelo mais vendido em 2019 (em ordem decrescente) Preço médio de revisão a cada 10 mil km
Chevrolet Onix R$440,80
Hyundai HB20 R$395,60
Ford Ka R$447,60
Chevrolet Prisma R$440,80
Renault Kwid R$410,80
Volkswagen Gol R$447,80
Fiat Argo R$479,20
Jeep Renegade R$792,40
Volkswagen Polo R$456,80
Jeep Compass R$897,60

É diferente a revisão de um carro novo para a revisão de um carro usado?

A principal diferença é que, para o carro novo, as primeiras revisões são feitas diretamente na concessionária e são oferecidas pela montadora.

Já para os carros usados, é necessário que o atual dono procure por mais informações. Pode ser uma conversa com o antigo proprietário na hora da compra ou uma busca no manual do veículo. Tudo para ficar por dentro de quando fazer a revisão e quais peças do veículo precisa de maior atenção.

Onde fazer?

A revisão do carro pode ser feita em uma concessionária ou em uma oficina mecânica, a depender da preferência do proprietário do veículo.

As concessionárias são conhecidas por realizar um serviço de manutenção mais especializado e específico. Além disso, é feita a certificação das revisões finalizadas através de carimbos e documentos. Entretanto, o preço das peças e da mão de obra pode ser maior do que em uma oficina mecânica.

A manutenção realizada em uma oficina mecânica costuma sair muito mais em conta. Além de tratar diretamente com o mecânico, os preços não são tão caros em relação às concessionárias. Há também uma maior flexibilidade no agendamento e nos horários disponíveis.

Porém, como nem todos os motoristas têm um mecânico em quem confiem, é necessário ficar atento quanto à qualidade do serviço. O carro pode acabar ficando bem mais do que o tempo necessário, frustrando o motorista.

Quer ficar por dentro das novidades do mundo da mobilidade? Acesse nosso site e siga o Zul no Instagram e no Facebook.

Comentários